História do dia

Anúncios

 

 

O relógio marcava 21h09 quando os médicos tiveram certeza: as gêmeas, enfim, estavam separadas.

Nas mãos de Ricardo, duas cabecinhas, agora sem nenhum elo, pulsavam.

– Eu estava com uma criança e a outra. Separadas. Eram duas: uma aqui e outra ali. Foi muito emocionante.

Desde que o caso chegou ao Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, levou um ano e meio de preparo, conversas, exames, projetos até a realização das cirurgias. Quatro procedimentos, entre fevereiro e outubro de 2018.

O neurocirurgião pediátrico Ricardo diz que, em momento algum, duvidou da capacidade da equipe para realizar o procedimento.

– Eu não questionei, porque sabia que a gente tinha preparo para fazer a cirurgia. Mas esse preparo é fruto de treinamento. É reflexo de toda uma trajetória. Anos e anos de vivência.

 

quer saber mais? Clique aqui

 

Ricardo ajudou a separar siamesas unidas pelo crânio no Hospital das Clínicas de Ribeirão

Publicado por Dr. Ricardo Santos de Oliveira

Professor Livre Docente Departamento de Cirurgia e Anatomia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Professor colaborador da FMRP-USP. Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (1994), Doutorado em Medicina (Clínica Cirúrgica) pela Universidade de São Paulo (2001), Pós-doutorado no Hôpital Necker-Enfants Malades (Université Rene Descartes) 2001-2002, Pós-Doutorado FMRP-USP 2003-2004 (glicobiologia dos tumores cerebrais). Orientador pleno programa de pós graduação do Departamento de Cirurgia e Anatomia - FMRP-USP Atualmente é médico assistente da Divisão de Neurocirurgia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e docente credenciado do Depto. Cirurgia e Anatomia (Pós-graduação). Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Neurocirurgia Pediátrica e Neuroncologia atuando principalmente nos seguintes linhas de pesquisa: Neoplasia cerebrais sólidas da infância, glicobiologia de tumores cerebrais pediátricos, trauma e neuroncologia.

Deixe uma resposta Cancelar resposta