Epilepsia. Mitos e Verdades

Anúncios

Se eu tenho epilepsia meu filho também vai ter?

  • Cerca de 4% das pessoas já apresentaram pelo menos uma crise convulsiva na vida
  • A neuronavegação é uma ferramenta útil auxiliando em neurocirurgias complexas

Mitos e verdades

Existe uma diferença entre epilepsia e convulsão. Por definição, epilepsia é uma doença neurológica caracterizada por descargas elétricas anormais e excessivas no cérebro que são recorrentes e geram as crises epilépticas. Em cerca de 70% existe um controle da epilepsia.

Para considerar que uma pessoa tem epilepsia ela deverá ter repetição de suas crises epilépticas, portanto a pessoa poderá ter uma crise epiléptica (convulsiva ou não) e não ter o diagnóstico de epilepsia.

MITO: A epilepsia é uma doença mental?

Não ! A epilepsia é uma doença neurológica. Em casos graves, e principalmente quando a epilepsia ocorre na população pediátrica, antes de 2 anos de idade o risco de atraso mental é maior.

Toda convulsão é uma crise epiléptica, mas além da convulsão existem várias formas de crises epilépticas. Na convulsão o paciente apresenta movimentos grosseiros de membros, desvio dos olhos, liberação de esfíncteres e perda de consciência. E um exemplo comum de crise epiléptica não convulsiva é a crise de ausência

MITO: Uma crise convulsiva define a epilepsia. 

A epilepsia é uma doença frequente que acomete cerca de 1 a 2% da população geral. A convulsão é um tipo de crise epilética, que acontece quando um agrupamento de células cerebrais se comporta de maneira anormal. Um único episódio não indica que a pessoa tenha epilepsia – muito embora a consulta com um especialista seja necessária – e a doença não implica obrigatoriamente em ter distúrbios de comportamento.

Existem situações que podem predispor o aparecimento de uma crise convulsiva, como por exemplo febre, estresse, drogas ou distúrbios metabólicos, privação de sono, estímulos visuais excessivos, entre outros. 

Um episódio único de crise convulsiva não pode ser considerado o diagnóstico de epilepsia.

“Existem várias formas de epilepsia em crianças e nas emergências pediátricas é comum observar a convulsão febril, que costuma ter evolução benigna. Essa chamada epilepsia benigna da infância pode acontecer desde a idade pré-escolar até a adolescência. As crises com breves paradas comportamentais sem evento motor nítido, exemplificam formas comuns de epilepsia na infância”, explica do Dr. Ricardo Santos de Oliveira, neurocirurgião pediátrico. Abaixo, ele traz algumas respostas para dúvidas frequentes sobre o assunto.

MITO: A Epilepsia não tem cura?

É possível tratar a epilepsia?

Existem várias medicações que são indicadas de acordo com o histórico de cada paciente, porém, nos casos de epilepsia grave e que não responde ao tratamento clínico, o paciente pode precisar da cirurgia. A tecnologia avançada tem permitido um melhor diagnóstico e o tratamento medicamentoso e cirúrgico têm sido cada vez mais seguro e com melhores resultados. 

Existem situações que a crise convulsiva ocorre de forma inédita num paciente adulto ou pediátrico, podendo estar associada a um tumor cerebral. O uso de tecnologias avançadas como a neuronavegação e a monitorização intraoperatória permitem cirurgias mais seguras.

Em outros casos, chamados de epilepsia refratária observamos uma continuidade das crises convulsivas apesar da medicação.  Estes pacientes devem ser avaliados numa unidade especializada em cirurgia de epilepsia na tentativa de correlacionar uma região do cérebro (foco) com a origem da epilepsia.

Como usar a medicação?

Os remédios para epilepsia são controlados e o paciente deve sempre fazer acompanhamento médico para avaliar possíveis efeitos colaterais erroneamente atribuídos ao tratamento. A dose da medicação nunca deve ser alterada por conta própria. 

Tenho epilepsia. Meu filho também vai ter?

Cerca de 4% das pessoas já apresentaram pelo menos uma crise convulsiva na vida, mas isso não significa que tenham epilepsia. Pai ou mãe que tem epilepsia não significa que o filho também terá, pois a maiorias das doenças que cursam com epilepsia não são hereditárias. 

Como ajudar alguém que esteja em crise epilética?

É importante tentar proteger a cabeça da pessoa para evitar um traumatismo, e  virar o rosto dela de lado para eliminar o acúmulo de saliva e impedir a asfixia com o próprio vômito. Não se deve segurar a língua do paciente, sob o risco de tomar uma mordida, ou colocar objetos na boca, como uma colher. Se a crise estiver durando mais de 5 minutos, já vale a pena chamar uma ambulância, o mesmo deve ser feito  se a pessoa demorar a recobrar a consciência.

MITO: A epilepsia é uma doença contagiosa ?

A epilepsia é uma doença neurológica não contagiosa. Portanto, qualquer contato com alguém que tenha epilepsia não transmite a doença.

MITO: Os pacientes com epilepsia podem dirigir?

Segundo a Associação Brasileira de Educação de Trânsito, o paciente com epilepsia que se encontra em uso de medicação antiepiléptica poderá dirigir se estiver há um ano sem crise epiléptica – dado que deve ser apresentado através de um laudo médico. Caso o paciente esteja em retirada da medicação antiepiléptica, ele poderá dirigir se estiver há no mínimo dois anos sem crises epilépticas e ficar por mais seis meses sem medicação e sem crise. Já a direção de motocicletas é proibida.

O paciente com epilepsia pode ter uma vida normal – 

Pacientes com epilepsia, desde que controlados, podem e devem ser inseridos completamente na sociedade, ou seja, devem trabalhar, estudar, praticar esportes, se divertir.

Sobre Dr. Ricardo de Oliveira – Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRPUSP). Doutor em Clínica Cirúrgica pela Universidade de São Paulo, com pós-doutorados pela Universidade René Descartes, em Paris, na França e pela FMRPUSP. É orientador pleno do Programa de Pós-graduação do Departamento de Cirurgia e Anatomia da FMRPUSP e médico assistente da Divisão de Neurocirurgia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Também é docente credenciado do Departamento de Cirurgia e Anatomia da pós-graduação e tem experiência com ênfase em Neurocirurgia Pediátrica e em Neurooncologia, atuando principalmente nas seguintes linhas de pesquisa: neoplasias cerebrais sólidas da infância, glicobiologia de tumores cerebrais pediátricos e trauma crânio-encefálico. É presidente da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia Pediátrica (2019/2021). Foi o neurocirurgião pediátrico principal do caso das gêmeas siamesas do Ceará. Atua com consultórios em Ribeirão Preto no Neurocin e em São Paulo no Instituto Amato.

Contatos:

Instagram @dr.ricardodeoliveira

Facebook https://m.facebook.com/dr.ricardosantosdeoliveira/

YouTube – https://www.youtube.com/user/necped/videos

Informações para a Imprensa:

Gengibre Comunicação

(11)94466-0408 (ligações e WhatsApp)

Patrícia de Andrade – patricia@gengibrecomunicacao.com.br

Débora Torrente – debora@gengibrecomunicacao.com.br

Regiane Chiereghim – regiane@gengibrecomunicacao.com.br


 

Publicado por Dr. Ricardo Santos de Oliveira

Professor Livre Docente Departamento de Cirurgia e Anatomia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (1994), Doutorado em Medicina (Clínica Cirúrgica) pela Universidade de São Paulo (2001), Pós-doutorado no Hôpital Necker-Enfants Malades (Université Rene Descartes) 2001-2002, Pós-Doutorado FMRP-USP 2003-2004 (glicobiologia dos tumores cerebrais). Orientador pleno programa de pós graduação do Departamento de Cirurgia e Anatomia - FMRP-USP Atualmente é médico assistente da Divisão de Neurocirurgia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e docente credenciado do Depto. Cirurgia e Anatomia (Pós-graduação). Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Neurocirurgia Pediátrica e Neuroncologia atuando principalmente nos seguintes linhas de pesquisa: Neoplasia cerebrais sólidas da infância, glicobiologia de tumores cerebrais pediátricos, trauma e neuroncologia.

Deixe uma resposta Cancelar resposta