O que é malformação de chiari I ? Todos os casos precisam de cirurgia?

Anúncios

A malformação de Chiari ou deformidade de Chiari é uma condição congênita ou adquirida em que uma estrutura conhecida como amigdala cerebelar invade o canal espinhal.

A condição congênita, geralmente está associada a uma parte posterior do crânio pequena ou disforme. Consequentemente, existe uma dificuldade na passagem do liquido céfalo-raquidiano do interior do crânio para a medula espinhal, através de um orifício (forame magno).
Existem outras doenças, completamente diferentes que possuem, praticamente o mesmo nome, incluindo mal formações congênitas graves, tais como encefaloceles e a mielomeningocele.
Na deformidade de Chiari do tipo I os sinais e sintomas podem apresentar uma grande variabilidade, desde casos assintomáticos ou com sintomas muito leves, tais como uma cefaleia ou tonturas, até sinais e sintomas típicos da deformidade de Chiari I.
Deve-se tomar muito cuidado com um laudo radiológico apontando para uma “malformação de chiari tipo I” em pacientes praticamente assintomáticos.
Nós chamamos esta condição de “achado incidental”, ou seja por uma razão qualquer um indivíduo é submetido a uma ressonância, e tem uma pequena alteração sem significado clínico.
Esta condição deve ser apenas acompanhada. Não há razão para indicação de tratamento cirúrgico. 

Dr. Ricardo Santos de Oliveira

deformidade de Chiari tipo I

Publicado por Dr. Ricardo Santos de Oliveira

Professor Livre Docente Departamento de Cirurgia e Anatomia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (1994), Doutorado em Medicina (Clínica Cirúrgica) pela Universidade de São Paulo (2001), Pós-doutorado no Hôpital Necker-Enfants Malades (Université Rene Descartes) 2001-2002, Pós-Doutorado FMRP-USP 2003-2004 (glicobiologia dos tumores cerebrais). Orientador pleno programa de pós graduação do Departamento de Cirurgia e Anatomia - FMRP-USP Atualmente é médico assistente da Divisão de Neurocirurgia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e docente credenciado do Depto. Cirurgia e Anatomia (Pós-graduação). Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Neurocirurgia Pediátrica e Neuroncologia atuando principalmente nos seguintes linhas de pesquisa: Neoplasia cerebrais sólidas da infância, glicobiologia de tumores cerebrais pediátricos, trauma e neuroncologia.

Deixe uma resposta Cancelar resposta