Hidrocefalia de Pressão Normal

Anúncios

Hidrocefalia do idoso poder ser confundida com Alzheimer e Parkinson

Tratamento precoce aumenta as chances de recuperação do paciente

Dificuldades para andar, incontinência urinária e perda cognitiva estão entre os principais sintomas que caracterizam a Hidrocefalia de Pressão Normal (HPN) – uma síndrome neurológica que consiste no excesso de líquido acumulado na região do cérebro e que, geralmente, afeta adultos com idade entre os 60 e 70 anos.

“Nós temos no interior da cabeça um líquido que é produzido normalmente, uma produção independente de dia e hora, que é constante e, à medida que nós envelhecemos, por alguma razão, esse líquido começa a acumular em algumas pessoas”, afirma Dr. Ricardo Santos de Oliveira, neurocirurgião.

Normalmente, esse excesso de líquido na cabeça, pode levar a condições peculiares, tais como: distúrbios de marcha – alteração na forma de caminhar, confusão mental e até perda de memória.

É comum o diagnóstico de Hidrocefalia de Pressão Normal (HPN) não ser realizado precocemente e, em muitos casos, a HPN – também conhecida como a hidrocefalia do idoso –poder ser confundida com doenças que apresentam sintomas semelhantes como Alzheimer e Parkinson.

Existe um tratamento adequado para essa doença?

Sim, por isso a importância do diagnóstico correto e precoce, que é feito através da avaliação clínica e confirmado por um exame de imagem, ou seja, preferencialmente uma ressonância magnética da cabeça para identificar o acúmulo de líquido na região.

Situações em que a doença é confirmada, o passo seguinte é a indicação de uma cirurgia, que consiste na colocação de um pequeno tubo com o intuito de drenar o líquido do interior da atividade craniana para a região abdominal.

“A Derivação Ventrículo Peritoneal (DVP) é uma cirurgia que apresenta bons resultados quando o diagnóstico é feito, principalmente, de uma forma mais precoce, onde ainda não prevalece a demência de forma acentuada, assim como as alterações urinárias, dificuldades ao caminhar e, eventualmente, perda de memória, explica o Dr. Ricardo.

Além da ressonância magnética, o Exame de Líquor (Tap-Test), que também auxilia na identificação do diagnóstico, consiste na punção lombar para a retirada do excesso de líquido que circula pelo sistema nervoso central. 

Ainda não há orientações específicas sobre a prevenção da HPN, no entanto, o tratamento precoce aumenta as chances de recuperação do paciente.

Sobre Dr. Ricardo de Oliveira – Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRPUSP). Doutor em Clínica Cirúrgica pela Universidade de São Paulo, com pós-doutorados pela Universidade René Descartes, em Paris, na França e pela FMRPUSP. É orientador pleno do Programa de Pós-graduação do Departamento de Cirurgia e Anatomia da FMRPUSP e médico assistente da Divisão de Neurocirurgia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Também é docente credenciado do Departamento de Cirurgia e Anatomia da pós-graduação e tem experiência com ênfase em Neurocirurgia Pediátrica e em Neurooncologia, atuando principalmente nas seguintes linhas de pesquisa: neoplasias cerebrais sólidas da infância, glicobiologia de tumores cerebrais pediátricos e trauma crânio-encefálico. Foi o neurocirurgião pediátrico principal do caso das gêmeas siamesas do Ceará. Atua com consultórios em Ribeirão Preto no Neurocin e em São Paulo no Instituto Amato.

Contatos:

Instagram @dr.ricardodeoliveira

Facebook https://m.facebook.com/dr.ricardosantosdeoliveira/

YouTube – https://www.youtube.com/user/necped/videos

Informações para a Imprensa:

Gengibre Comunicação

(11)94466-0408 (ligações e WhatsApp)

Patrícia de Andrade – patricia@gengibrecomunicacao.com.br

Débora Torrente – debora@gengibrecomunicacao.com.br

Regiane Chiereghim – regiane@gengibrecomunicacao.com.br

Publicado por Dr. Ricardo Santos de Oliveira

Professor Livre Docente Departamento de Cirurgia e Anatomia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (1994), Doutorado em Medicina (Clínica Cirúrgica) pela Universidade de São Paulo (2001), Pós-doutorado no Hôpital Necker-Enfants Malades (Université Rene Descartes) 2001-2002, Pós-Doutorado FMRP-USP 2003-2004 (glicobiologia dos tumores cerebrais). Orientador pleno programa de pós graduação do Departamento de Cirurgia e Anatomia - FMRP-USP Atualmente é médico assistente da Divisão de Neurocirurgia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e docente credenciado do Depto. Cirurgia e Anatomia (Pós-graduação). Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Neurocirurgia Pediátrica e Neuroncologia atuando principalmente nos seguintes linhas de pesquisa: Neoplasia cerebrais sólidas da infância, glicobiologia de tumores cerebrais pediátricos, trauma e neuroncologia.

Deixe uma resposta Cancelar resposta